Blog

Anita Garibaldi – A heroína dos dois mundos

anita-1

Anita Garibaldi foi uma mulher considerada à frente do seu tempo. Apesar de ter casado muito cedo, como era típico da época, não durou muito tempo com o esposo, considerado pacato demais.

Ao conhecer o valente Giuseppe Garibaldi, apaixonou-se completamente e o amor foi recíproco. Anita não pensou duas vezes e largou tudo para viver com Giuseppe, com quem casou e teve filhos.

Conheça agora um pouco mais sobre esta heroína brasileira que agora se encontra enterrada em terras estrangeiras. Saiba um pouco sobre as homenagens que recebeu, principalmente sobre a antiga Faculdade Anita Garibaldi em Santa Catarina.

Um pouco da história da Faculdade Anita Garibaldi

A Faculdade Anita Garibaldi, ou FAAG, foi uma entidade de fins lucrativos e era mantenedora da Faculdade Bandeirante em 2004. Em 2009, a FAAG mudou definitivamente para o nome de Faculdade Bandeirante, que por sua vez, está incorporada à Anhanguera Educacional Ltda.

Quem foi Anita Garibaldi?

um-quadro-mostrando-a-valente-anita-garibaldi,-na-casa-onde-morou-em-laguna,-no-sul-de-santa-catarina-nikon

Anita Garibaldi foi uma heroína do nosso país e mais ainda do sul do Brasil, mais precisamente do estado de Santa Catarina, onde nasceu Ana Maria de Jesus Ribeiro da Silva, nome de batismo.

Casou-se cedo com um sapateiro, mas o casamento não durou muito. Pouco tempo depois conheceu o italiano Giuseppe Garibaldi, que lutava na época, pela República do país na Guerra dos Farrapos.

Desde que se conheceram, Giuseppe e Anita não mais se deixaram. E passaram a lutar juntos dentro e fora do país. Anita Garibaldi era tão valente quanto qualquer soldado. Sabia manusear armas de fogo e espadas.

Anita casou-se com Giuseppe em 1842 e com ele teve quatro filhos. Um deles morreu aos dois anos de idade. Quando estava grávida do quinto filho, durante a fuga das tropas austríacas, Anita contraiu febre tifóide e faleceu em 4 de agosto de 1849.

Sempre em fuga, Giuseppe não pôde permanecer para velar o corpo da esposa. Permaneceu mais de 10 anos em exílio, fora do país. Já Anita foi enterrada na Colina de Gianicolo em Roma.

Homenagens à Anita Garibaldi

Roma_Gianicolo_Anita_Garibaldi_-_foto_1

Depois de marcar história como lutadora fiel e comprometida, Anita Garibaldi é considerada a “Heroína dos dois mundos” e foi homenageada no Brasil, na Itália e várias cidades onde passou durante o período de lutas.

Em Santa Catarina, deu nome a dois municípios Anita Garibaldi e Anitópolis. Além desta homenagem, Anita Garibaldi também foi homenageada por instituições médicas como institutos de pesquisas e hospitais. Além disso, a Faculdade Anita Garibaldi do seu estado, Santa Catarina.

Para alguns brasileiros, Anita Garibaldi não passava de uma traidora, mas para a grande maioria dos conterrâneos, ela teve sim a sua história reconhecida. O que marca a sua vida é a força e a coragem de uma mulher tão jovem, pobre e humilde que teve coragem de largar tudo em busca do que a fazia feliz.

Cursos oferecidos pela Faculdade Anita Garibaldi

Conheça a lista dos cursos oferecidos pela antiga Faculdade Anita Garibaldi. Além destes cursos de graduação, a instituição oferece ainda cursos de especialização e de extensão nas áreas de Humanas, Exatas e Saúde.

Administração

Ciências Contábeis

Direito

Enfermagem

Engenharia de Produção

Fisioterapia

Nutrição

Pedagogia – Licenciatura

Psicologia

Publicidade e Propaganda

Relações Públicas

Serviço Social

Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental

Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada

Superior de Tecnologia em Gestão Financeira

Superior de Tecnologia em Logística

Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais

Anita Garibaldi é considerada uma personagem histórica e heróica brasileira. Mostrou-se uma mulher valente e lutadora, sem deixar de lado o amor pela família e pelos filhos. Recebeu muitas homenagens não só dentro do seu país de origem, o Brasil, mas também fora como na Itália, onde foi erguida uma estátua sobre seu túmulo.

O currículo do Ensino Superior deveria mudar?

graduaá∆o

O ensino superior, existente no Brasil desde 1808 quando foi instaurada por D. João VI, sofreu muitas modificações desde então. Antigamente, os cursos existentes eram apenas os tradicionais Direito, Medicina, além de raras instituições de ensino.

Com o passar do tempo, e as exigências naturais e comuns da sociedade, o número e a diversidade de cursos de ensino superior aumentaram, seguindo esta tendência, de se adequar à nova realidade existente.

Só que, o mundo permanece em constante evolução, e o mínimo que se espera de uma instituição de nível superior ou IES, é um caminhar paralelo a estas transformações. E o currículo do ensino superior é o que mais exige mudança.

Por que o currículo do ensino superior deve mudar?

 

O que esperar de uma instituição que tem a função de preparar um indivíduo para o mercado de trabalho, não só como um profissional qualificado, mas também como um ser humano resiliente e centrado?

As universidades têm uma obrigação muito grande e muito importante de moldar as pessoas que estão em busca de uma graduação. E o que se espera é um currículo do ensino superior atual, inovador, para que os estudantes consigam encarar de frente toda a realidade do mundo fora da sala de aula.

Mas, é quase impossível fazer isso quando não se sabe o que está acontecendo lá fora. Ou por ignorância, conservadorismo ou até mesmo, acomodação.

O grande problema que existe no currículo do ensino superior é a discrepância do que é dito na sala de aula com a realidade. Muitas técnicas de ensino e o próprio conteúdo são ultrapassados, repetitivos, engessados e obsoletos.

O resultado deste ensino precário é um profissional que sai da faculdade com um conhecimento fraco, teórico apenas, com dificuldades de se adequar ao que o mundo real exige, muitas vezes fadado ao desemprego.

E nessa história, todo mundo perde. Não só o profissional, mas também o mercado e quem, por ventura, for depender dele. Promover mudanças no currículo do ensino superior deve ser sim um caso urgente a se pensar pelos gestores das IES.

Algumas mudanças já começaram

Além das mudanças no currículo do ensino superior, podemos falar também de mudança de método de ensino. Neste patamar, há a oportunidade de falar do mundo virtual cada vez mais presente em todas as faixas etárias e setores da sociedade.

Em um decreto assinado pelo Governo em 2016, as regras para o ensino EAD se tornaram mais flexíveis. A ideia é acompanhar o crescimento extraordinário de estudantes universitários desta modalidade. Em 2013, eram 49 mil alunos, um número que passou para 1,3 milhão em 2015.

É uma prova de que a forma como o ensino superior está atuando na atualidade já não atende às necessidades de quem dele necessita. Principalmente, porque estamos vivendo uma era de mudanças constantes.

O que esperar do futuro do ensino superior

O que esperar do futuro do ensino superior

Especialistas e pesquisadores que se propõem a estudar o futuro do ensino superior no Brasil, já desenvolveram as suas expectativas para uma mudança significativa nas próximas décadas.

E esta mudança percorre diversos setores da formação universitária, além do currículo do ensino superior. Um deles é a inovação tecnológica tanto nos equipamentos quanto na transferência do conteúdo através de plataformas digitais.

O que se espera também é um ensino mais personalizado, individualizado, com um professor mais presente e participante da vida do aluno. Alguém que esteja pronto para ajudar os alunos a traçar e alcançar os objetivos dentro e fora da universidade.

Além disso, a esperança é de que o ensino superior mais acessível a todas as pessoas, com mais diversidade. Isso vale tanto para admissão de novos alunos, quanto no decorrer do curso.

Enfim, o currículo do ensino superior deve mudar e esta evolução deve estar na pauta de discussão dos gestores e líderes das IES. Caso contrário, a instituição corre o risco de ficar para trás e perder espaço para aquelas que já perceberam que não dá para ficar presa ao passado e pensamentos antigos.