Faculdades Podem Preparar Melhor o Aluno Sobre o E-commerce Hoje em Dia

Quando se fala na atual situação econômica brasileira é comum escutarmos algumas pessoas que estão em busca de novas oportunidades sob a justificativa de que não há empregos ou que a atual situação da economia nacional não é segura para quem está em busca de estabilidade financeira.

Por essa razão cada dia mais as pessoas estão migrando para o e-commerce, ou as chamadas lojas virtuais, que vendem tanto produtos quanto serviços – e esse mercado é feito por pessoas que assim como você tinham uma ideia na cabeça, pouco dinheiro e muito o que fazer.

O fato é que realmente as lojas online têm movimentado muito dinheiro, mas a mão de obra das pessoas que se voltam a esse tipo de negócio é feita, especificamente, de pioneiros, pessoas que fizeram o que podiam com o que tinham nas mãos.

E qual é a razão para isso? Será que é porque a maioria das pessoas não é capacitada? Existe um curso superior que ensine as técnicas para se abrir uma loja virtual com sucesso? A essas e outras perguntas responderemos no artigo a seguir.

O que é E-commerce?

4-aspectos-imprescindíveis-para-experiência-mobile-de-seu-e-commerce..

Para começarmos a falar sobre o assunto é importante que saibamos do que o assunto em pauta se trata, certo?

E-commerce, ou comércio virtual, ou ainda lojas virtuais é, como o próprio nome diz, um comércio voltado para o mercado on-line. E a partir desse princípio podemos supor que a maioria das pessoas, mesmo sem conhecer o termo já tenha se deparado com algum e-commerce em sua vida.

Lojas de roupas no Instagram ou no Facebook, páginas de grandes lojas físicas que existem on-line ou mesmo sites de compra e venda, como o Mercado Livre e o Enjoei, são alguns dos exemplos mais populares na internet do gênero.

Existem subgêneros no meio, como por exemplo, o conceito de MarketPlace, que é o conjunto de várias lojas convivendo e disputando entre si vendas em um mesmo lugar, como se fosse um shoppig center – é o caso de sites como Mercado Livre, Olx, Amazon ou E-bay.

O mercado E-commerce no Brasil

Com o advento da internet, o brasileiro encontrou novas maneiras de adquirir produtos e serviços, por isso o mercado de lojas virtuais é tão potente no Brasil.

Isso porque mesmo antes de existirem sites brasileiros voltados para este mercado, existiam muitas pessoas que já importavam de sites pioneiros, como por exemplo o Amazon, para adquirir produtos para revenda.

Mas foi apenas em 2011, quando este mercado movimentou cerca de 18 bilhões de reais, que ele começou a chamar a atenção como um mercado produtivo de verdade.

É fato que ainda não estamos nem perto da marca do mercado norte americano que movimenta cerca de 300 bilhões de dólares anuais, mas estamos em um caminho otimista onde cada vez mais pessoas deixam de comprar em lojas físicas para comprar em lojas online.

As razões para isso são várias: vão desde a comodidade a até mesmo as facilidades de pagamento – afinal as lojas virtuais grátis precisam encontrar um diferencial para atrair novos clientes, que apenas a sua comodidade ou formas de pagamento diferenciadas.

Embora muitos tenham sidos os casos de fraudes envolvendo lojas virtuais no Brasil, ele é e continua sendo uma das opções mais utilizadas pelos clientes que estão em busca de produtos e serviços – e mesmo com a atual crise, não parece que vá diminuir em interesse tão cedo.

Ensino voltado para o E-commerce no Brasil

eco

Infelizmente, para o mercado brasileiro, não há um curso específico voltado para alunos que queiram se especializar no e-commerce especificamente. Talvez o que mais se aproxime desse meio são técnicas aplicáveis tanto na publicidade quanto no marketing.

O marketing é aplicável no e-commerce graças principalmente ao uso de técnicas dessa área, mas mesmo assim, o marketing digital que é aplicado para as lojas virtuais ainda não é o mesmo que conhecemos nas salas de faculdades.

Já que diferentemente do marketing tradicional, o marketing digital se une ao marketing de atração para poder fazer com que o cliente por si mesmo tenha interesse em sua marca, sem precisar intrometer-se em sua programação normal.

Além disso, existem ferramentas on-line como o Google Adsense e o Google Adwords que servem justamente para fazer com que as empresas produzam conteúdo para criar um bom marketing de atração.

Por essa razão é que pode-se dizer que as faculdades ainda não estão prontas para capacitar profissionais para essa área, e é por isso que cada vez mais crescem o número de “gurus” da internet que promete fazer com que as pessoas ganhem dinheiro com seu e-commerce.

O fato é que, dá sim para ganhar dinheiro, e bastante, criando lojas virtuais, o problema é que, pela falta de mão de obra qualificada no Brasil, muitas são as pessoas que acabam fazendo as coisas na tentativa do erro e acerto para enfim encontrar a maneira certa de se introduzir nesse mercado.

Se houvessem mais meios de se conseguir conhecimento de como usar a plataforma online para ganhar dinheiro com a internet menos dinheiro seria gasto com tentativas frustradas de empreendedores virtuais e menos pessoas tirariam os créditos das lojas virtuais.

E, claro, houvesse uma maneira mais segura de não cair nas mãos de charlatões que prometem o impossível para milhares de pessoas no intuito de ganhar dinheiro dessas pessoas que têm boas ideias, mas pouco conhecimento no meio.

Conclusão

e-commerce

Apesar de ser um mercado em alta e de bastante lucro de retorno, as lojas virtuais ainda são um grande problema para quem está começando a se introduzir nesse mercado.

Esses problemas vão desde o aprendizado de como se usar as ferramentas essenciais do meio e as técnicas à falta de investimento das universidades em criar cursos especializados para este fim.

No final das contas pessoas mal-intencionadas acabam então se aproveitando da boa-fé de investidores para ganhar dinheiro deles e não oferecer um conhecimento que realmente faça a diferença na hora de começar um negócio on-line.

É óbvio que muitos sites fornecem um suplemento de qualidade, assim como serviços voltados a esse fim, mas em geral o mercado digital ainda carece (e muito) de mão de obra qualificada para garantir resultados realmente positivos para as empresas que resolvem entrar no e-commerce.